SERVE PARA TODOS
Prisão de Anderson Torres pode derrubar Flávio Dino
Por José Linhares Jr • 11/01/2023
Compartilhe
Documentos da ABIN revelam que acusações de omissão que resultaram na prisão de Torres podem ser também aplicadas ao ministro da Justiça.

A prisão do ex-secretário de Segurança do Distrito Federal, Anderson Torres, deve complicar o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino (PSB). O pedido de prisão de Torres é baseado em suposta omissão sobre os ataques ocorridos em Brasília no último 8 de janeiro. Ocorre que já são robustas as provas de que o ministro Flávio Dino teve acesso a informações e não tomou as medidas que o cargo exige. Inclusive com comunicados da Agência Brasileira de Inteligência (Abin).

Segundo a Advocacia-Geral da União (AGU), responsável pelo pedido que resultou na prisão de Torres, ele tem responsabilidade nos atos por ocupar o cargo de secretário de Segurança e não ter agido para impedi-los. Ao ser aceito pelo ministro Alexandre de Moraes, a ação coloca todos os agentes públicos do setor de segurança pública do Distrito Federal em situação delicada, o que é o caso do ministro Flávio Dino.

Chefe da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal, ambas instituições com sede na capital federal, Flávio Dino não agiu para impedir os ataques. Antes mesmo da prisão de Anderson Torres, o deputado federal Júnior Amaral (PL) já havia apresentado requerimento à Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Federal com pedido de convocação do ministro por omissão nos atos de vandalismo.

O senador Marcos do Val (Podemos) também acusa Flávio Dino de ser omisso em relação aos ataques. Documentos revelam que a Abin produziu diversos alertas acerca do risco iminente de ataques a prédios públicos pelos manifestantes que vandalizaram as sedes dos três Poderes. Os alertas foram distribuídos para todos os integrantes do Sisbin (Sistema Brasileiro de Inteligência), rede que une 48 órgãos em 16 ministérios diversos. A informação foi divulgada originalmente pela jornalista Andrea Sadi, da Globo News.

O fato é que a aceitação do pedido de prisão de Anderson Torres, sendo justa, ou não, coloca Flávio Dino em situação extremamente delicada. Se um foi omisso, o outro também foi. E, sendo omisso, não podem ocupar cargos no setor.

OPINIÃO: Nem Flávio Dino e nem Anderson Torres podem ser responsabilizados de forma a transcender o descuido. O histórico das manifestações bolsonaristas, até poucas semanas atrás, era de movimentos pacíficos. O que aconteceu no dia 8 de janeiro foi um ponto fora da curva, uma eventualidade. E culpar as autoridades por isso, quaisquer uma delas, é um erro.

No entanto, se a culpa cai em Torres, também deve recair sobre Flávio Dino. O nome disso é ISONOMIA.

Compartilhe
17/02/2024
PROJETO DE LEI
Deputada tenta acelerar PL que pune preconceito aos políticos
17/02/2024
MARANHÃO
Desemprego no MA atinge menor nível desde governo Roseana
17/02/2024
BENEFÍCIO
Foragido do CV recebeu auxílio emergencial mesmo quando preso

3 Comentários

  1. Gomez

    A mulher do rato branco deve logo arrumar os paninhos de bunda dela e voltar para pinheiro. Adeus suplência.

    Responder
  2. Arnaldo

    “ISONOMIA” em incompetência.

    Responder
  3. ANDRE

    Linhares, você já viu uma carroça puxar um jumento? Não, não é?
    … e assim são as leis. – Né?

    Para concluir a jornalista disse : “Abin alertou autoridades de segurança pública do DF pela manhã sobre ameaça de invasão bolsonarista,”

    A competência da segurança era do DF. A Força Nacional ficou de prontidão para possível requisição daquele distrito.

    É sabido que você odeia a esquerda e FD tb. Mas seja profissional, não coloque palavras onde não existem e nem crie regras para alienar mais o povo que está perturbado por tanta desinformações.

    Responder

Trackbacks/Pingbacks

  1. 7Minutos - Prisão de Anderson Torres pode derrubar Flávio Dino - […] Link original da matéria: https://linhares.marianatrizolio.com.br/2023/01/prisao-de-anderson-torres-pode-derrubar-flavio-dino/#.Y76k1Uezqc4.… […]

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda